Available in PTPT-BREN

#LeadYoung: Em Manaus, jovem usa a ciência para fomentar uma cultura de cidadãos curiosos e conscientes

Carlla Vicna, 20 anos, e sua equipe estão expandindo a inteligência coletiva baseada no pensamento científico, usando-o para mostrar que todos são agentes de mudança.

Percebendo a precariedade e as desigualdades inerentes à cultura científica brasileira, Carlla e seus amigos criaram o Projeto Cosmos, uma iniciativa que oferece aprendizado criativo de astronomia nas escolas públicas. A história de Carlla demonstra que, identificando um problema crítico na educação brasileira e exercendo liderança compartilhada, os jovens têm o poder de liderar um movimento social pela valorização do conhecimento e raciocínio científico em todo o Brasil.  

 

Carlla sempre estudou em escolas públicas na periferia da cidade de Manaus até que teve o privilégio de estudar em uma escola que oferecia excelentes oportunidades de educação, raramente oferecidas aos jovens de sua vizinhança. No entanto, com 16 anos, ela se sentia despreparada em seu curso de ciências. Sua nova escola oferecia uma olimpíada de ciências, especificamente em astronomia e astronáutica. Determinada a participar, a jovem estudou astronomia por conta própria e acabou ganhando a medalha de bronze na olimpíada. A astronomia estimulou sua curiosidade pela ciência, fez com que questionasse mais racionalmente o mundo ao seu redor, abrindo sua mente para novas ideias e impulsionando seu desenvolvimento acadêmico e pessoal.  

 

Aos 16 anos, a jovem juntou-se com mais cinco amigas e fundou o Projeto Cosmos, cujo objetivo é ensinar Astronomia em escolas públicas preparando estudantes para a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). Ea acredita que a astronomia encanta os jovens e, como resultado, é uma oportunidade para engajá-los nos estudos de ciências. O Projeto Cosmos envolve alunos através de palestras inovadoras, oficinas educativas e jogos que exploram o espaço das escolas, que costumam estar localizadas em regiões de comunidades de baixa renda. Essas ferramentas práticas de envolvimento, divertidas e interativas, são personalizadas para diferentes faixas etárias. 

 

Embora a Astronomia seja o foco do trabalho, Carlla não espera que todos os estudantes do programa se tornem cientistas, mas que todos os participantes aprendam a pensar de maneira mais científica. O objetivo do Projeto é que todos os jovens aprendam habilidades e valores ao longo da vida para serem cidadãos conscientes e ativos, como observação e questionamento críticos, resolução criativa de problemas, adaptação a novas idéias e avaliação do mundo ao seu redor.  

 

“O Brasil precisa de mais cientistas, mas também o conhecimento científico é essencial para construir cidadãos conscientes”  - Carlla Vicna, 20 anos, Amazonas

Hoje, quatro anos depois, a jovem se vê liderando algo muito maior do que ela mesma. Sua equipe conta conta com 30 estudantes universitários de várias carreiras acadêmicas, de física e engenharia a design e administração de empresas e sua iniciativa já alcançou 1.500 alunos em 25 escolas locais. O modelo de liderança rotacional da equipe permite que todos assumam responsabilidades e liderem iniciativas, independentemente de sua formação acadêmica. 

 

Em 2018, o grupo ganhou o prêmio Laureate for Young Social Entrepreneurs. Já em 2019, eles publicaram um artigo sobre a metodologia de sua organização no 2º Simpósio sobre Atividades de Educação Espacial e três de seus participantes foram medalhistas na OBA. O Projeto Cosmos também foi selecionado entre um dos 50 projetos em um programa organizado pelo Instituto Serrapilheira, uma organização sem fins lucrativos que promove o conhecimento científico aumentando sua visibilidade e impacto no Brasil. 

 

Carlla espera não apenas compartilhar conhecimento sobre astronomia, mas também promover uma cultura de questionamento e abertura a novas ideias entre os jovens brasileiros. Ela acredita que todos os jovens precisam de uma “atitude proativa de busca de conhecimento” para pensar sobre problemas sociais em sua comunidade e imaginar soluções voltadas para a juventude. Abraçando a importância de um mundo de todos os criadores de mudanças em sua própria comunidade, Carlla diz que nosso mundo em rápida transformação precisa de “pessoas que lutam e querem um Brasil melhor e mais justo para todos”.