#LeadYoung: Preservação do ecossistema amazônico e proteção das comunidades tradicionais são focos de projeto liderado por jovem em Santarém

Luísa Falcão, 20 anos, co-criou e hoje lidera diversos projetos que envolvem jovens da Amazônia na abordagem dos desafios socioambientais da região.

O Brasil é abundante em biodiversidade, pessoas e cultura. Nas comunidades amazônicas, jovens como Luísa abraçam a importância de preservar as comunidades locais e o meio ambiente, já que são interconectados e co-dependentes. A história de Luísa apresenta o poder dos jovens para expressar suas opiniões e influenciar políticas públicas para garantir a existência de comunidades tradicionais e preservar a biodiversidade amazônica.

Nascida e criada na cidade amazônica de Santarém, cidade localizada no interior do Pará, no norte do Brasil, Luísa sempre foi apaixonada pelo meio ambiente. Quando ela entrou na universidade para estudar direito, imediatamente começou a perseguir sua paixão. Como co-coordenadora da Rede Global da Juventude para a Biodiversidade no Brasil e pesquisadora júnior em um laboratório ambiental, ela interessou-se pela intersecção entre direitos humanos, direitos ambientais e biodiversidade e, especialmente, em como essas questões pertencem à Amazônia e refletem nas mudanças climáticas. Luísa abraça a urgência de estabelecer uma ponte entre a academia, a sociedade civil e as pessoas comuns, especialmente os nativos da região, para proteger tanto o meio ambiente quanto as pessoas que vivem na Amazônia e suas culturas.

Como articuladora do Engajamundo, a Luisa conecta as partes interessadas para tratar de questões socioambientais na região, desde comunidades indígenas e ribeirinhas até sindicatos de trabalhadores rurais. Sua equipe, composta inicialmente por sete jovens, faz parceria com produtores rurais afetados pela monocultura da soja na região para desenvolver soluções e trocar conhecimentos para uma agricultura mais sustentável. A equipe também conecta agricultores com pesquisadores e atores locais para projetar práticas ambientais e agrícolas sustentáveis. 

 

“Eu trabalho com jovens de comunidades tradicionais de regiões afastadas das cidades na Amazônia e percebo que nesses locais o acesso à escola, ou simples acesso à universidade é praticamente impossível. Eu acredito que para que todos tenham a experiência de mudar o mundo e poder transformar as realidades, é fundamental a democratização do acesso ao conhecimento.” - Luisa Falcão, 19 anos, Santarém


 

Além disso, liderou o projeto Cadê o Mato?, Iniciativa que tratava da conscientização sobre as reformas do Código Florestal, que representava um sério risco ambiental. Sua equipe realizou treinamentos educacionais em escolas e seminários em universidades de Brasília, São Paulo e Santarém para mostrar a conexão direta entre a nova lei e a potencial perda de biodiversidade em todo o Brasil. Formando um movimento social ao engajar jovens em questões relacionadas à proteção ambiental, sua equipe entregou um manifesto aos juízes do Supremo Tribunal Federal em 2016, afirmando que os jovens estavam contra o projeto. Este trabalho levou-a a participar da XIV Conferência da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica em 2018, representando oficialmente os jovens. Sua atuação no Engajamundo, organização fundada pela empreendedora social Ashoka Raquel Rosenberg, hoje inspira outros jovens a liderar projetos sociais na região amazônica.

A equipe colaborativa de Luisa está crescendo; ela formou uma rede de jovens agentes de mudança de várias origens, como comunidades tradicionais, comunidades ribeirinhas, quilombolas  e grupos indígenas. Inspirando outras iniciativas dirigidas por jovens, Luisa vê o potencial de todos para criar mudanças unindo forças com os principais interessados ​​e participando de processos de tomada de decisões internacionais sobre o meio ambiente.