Escola Comunitária Luiza Mahin

Changemaker School
Uruguai
Salvador - BA
Brazil
Partner Since 2015

A Escola Comunitária Luiza Mahin nasceu em 1990 a partir de uma iniciativa da Associação de Moradores do Conjunto Santa Luzia, frente à necessidade diagnosticada na comunidade de um trabalho focado em Educação e Saúde. Em vista da carência de escolas públicas, que apresentavam uma quantidade de vagas insuficientes para o atendimento às crianças do bairro Uruguai, a Luiza Mahin surgiu primeiramente como “escola do bairro” para depois se consolidar como “escola comunitária”, reconhecida pelos órgãos legais e competentes.

Nos dois primeiros anos de funcionamento, a escola se manteve com recursos próprios, muitas vezes oriundos da arrecadação direta da própria comunidade. Depois, passou a contar com recurso financeiro fruto de parcerias e doações e, mais precisamente, do convênio com a ONG canadense Visão Mundial. Atualmente, a escola ocupa o antigo espaço da AMESA – Alagados e Melhoramentos, órgão que promoveu a elaboração do plano de melhoramentos da região dos Alagados, na Península de Itapegipe (BA).

Pautada na metodologia de alfabetização de Paulo Freire e Emilia Ferreiro, a escola — uma das quatro áreas de atuação da Associação de Moradores e em conjunto com as demais iniciativas de melhoria de qualidade de vida — trabalha para aumentar os níveis de alfabetização de jovens e adultos da região, diversificar as oportunidades de formação profissional continuada e aumentar o acesso de mais crianças dessa região ao Ensino Fundamental e à Educação Infantil.

A escola traz em seu nome a forte representação e valorização da cultura afro-brasileira. Luiza Mahin ― negra, africana livre da Costa da Mina‖, mãe do poeta Luiz Gama ― é idealizada e reverenciada por segmentos da sociedade brasileira associados aos movimentos negros e à valorização da história e cultura afro-brasileiras, sendo representada pela memória histórica como uma quitandeira que foi escrava de ganho e que sempre resistiu ao cativeiro. Uma mulher insubordinada, que se tornou símbolo de luta e resistência negra, configurando um mito para a população afrodescendente.

Sem documentos ou quaisquer registros materiais que atestem sua existência, Luiza Mahin entrou para a história pela escrita do filho, o poeta e precursor do abolicionismo no Brasil, Luiz Gama. Ele revelou o nome da mãe em uma carta autobiográfica enviada em 1880 ao amigo Lúcio de Mendonça e, em seguida, dedicou-lhe os versos do poema Minha Mãe, escrito em 1861 (GONÇALVES, 2010). Assim como a heroína negra, a escola exala o orgulho de suas origens e esforça-se para ensinar como assim viver e ser reconhecido por meio da valorização da cultura africana. Frente às desigualdades raciais, a equipe trabalha para diminuir as diferenças sociais e culturais e criar oportunidades.

Related TopicsChildren & Youth, Education / Learning, Every Child Practicing Empathy

More For You